JellyPages.com
"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo". Clarice Lispector

Seguidores

outubro 07, 2012

Perdo-me - Por Lena Lopez


Perdoa-me se eu sangro em você,
É apenas algo que eu faço,
A seiva da minha entrega
E creio fazê-la bem
Perdoe-me se o prazer
Torna-se muito à descobrir
Submissa à sombra do cane
Prostrada ao chão no castigo
Perdoe-me se eu  sou vulnerável
Dobrada e de joelhos aos seus pés
Implorando o matizado vermelho
Das marcas em minha pele.
Perdoe-me as cicatrizes,
Insígnias da Dona minha
Firmadas em todo o meu corpo
À relho, ferro e couro
Perdoe-me se normal eu sou
Me vendo a olho nu
Mas sonho com submissão
Perfeita e completa à Ti.
Lutei batalhas comigo
Lutei com meu amor próprio
Por muito tempo vaguei perdida
Esperando a minha entrega
Conformidades não me habitam
Prezo a dignidade
Me orgulho dos teus grilhões
Não quero jogo ambicioso
Caprichos mundanos ou perigos
Quero deliciar e ousar
Uma submissão de verdade!

4 comentários:

  1. Buen blog, SAludos:
    Insígnias da Dona minha
    Firmadas em todo o meu corpo
    À relho, ferro e couro
    Perdoe-me se normal eu sou-----------

    ResponderExcluir
  2. Hummm...Submisão hein Mamys!!!

    Aaa ruivinh@ acredita que não é submissa 100% não kkk

    A Maninh@ loira Delícia Leninh@ escreve bem né?
    Adoro seus textos!!!

    beijos doces para as duas!Muahhh

    ResponderExcluir