JellyPages.com
"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo". Clarice Lispector

Seguidores

março 30, 2016

Ana Jácomo


“Muitas vezes eu também já me perguntei 
se adianta a gente se empenhar para abrir o coração 
num tempo de tantos corações rigidamente trancados,
 em que o medo parece dar as cartas 
e descartar possibilidades de troca, 
espontaneidade e amor.

Mahatma Gandhi fez a seguinte pergunta a seus discípulos




- Porque as pessoas gritam quando estão aborrecidas?

- Gritamos porque perdemos a calma disse um deles.

- Mas, porque gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?
Questionou novamente o pensador.

- Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça, retrucou o outro discípulo.

E o Mestre volta a perguntar:

Então não é possível falar-lhe em voz baixa?

Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador.

Então ele esclareceu

Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando está aborrecido?

O fato é que quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente.

Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.

Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas? Falam suavemente. E por que?

Porque seus corações estão muito perto.

A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos seus corações que nem falam somente sussurram.

E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas olham-se, e basta. Seus corações entendem-se.

É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas.

Por fim, o pensador conclui, dizendo

Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.

" Eles dizem que se você sonhar com uma coisa mais de uma vez essa coisa se torna realidade".Aurora (A Bela adormecida)


"O amor sempre achará o seu caminho".





março 25, 2016

Filhos da Páscoa - Padre Fábio de Melo


O Desatino das Inseguranças não faz Barreira às Esperanças
Da esperança, a dor, o sentido oculto que move os pés, o desejo incontido de ver as estradas se transformando, aos poucos, em chegadas "rebordadas" de alegria.
Ir. Um ir sem tréguas, senão as poucas pausas dos descansos virtuosos que nos devolvem a nós mesmos. Idas que não findam e que não esgotam os destinos a serem desbravados. Passagens, páscoa e deslocamentos.
Eu vou; vou sempre porque não sei ficar. Vou na mesma mística que envolveu os meus pais na fé, os antepassados que vieram antes de mim.
Vou envolvido pela morfologia da esperança; este lugar simples, prometido por Deus, e que os escritores sagrados chamam de Terra Prometida. Eu a quero.



O lugar sugere saciedade e descanso. Sugere ausência de correntes e cativeiros... Ainda que o caminho seja longo, dele não desisto. Insisto na visão antecipada de seus vislumbres para que o mar não me assuste na hora da travessia. Aquele que sabe antecipar o sabor da vitória pela força de seu muito querer, certamente, terá mais facilidade de enfrentar o momento da luta.
O povo marchava nutrido pela promessa. A terra seria linda; nela não haveria escravidão. Poderiam desembrulhar as suas cítaras, cantar os seus cantos, declamar os seus poemas. A terra prometida seria o lugar da liberdade. Mas, antes dela, o processo. Deus não poderia contradizer a ordem da vida. Uma flor só chega a ser flor depois que viveu o duro processo de morrer para suas antigas condições. O novo nasce é da morte. Caso contrário, Deus estaria privando o seu povo de aprender a beleza do significado da Páscoa.
Nenhuma passagem pode ser sem esforço. É no muito penar que alcançamos o outro lado do rio, o outro lado do mar... E assim foi. O desatino das inseguranças não fez barreira às esperanças de quem ia. O mar vermelho não foi capaz de amedrontar os desejosos da Terra, os filhos da promessa. Pés enxutos e corações molhados, homens e mulheres deitaram suas trouxas no chão; choraram o doce choro da vitória e construíram, de forma bela e convincente, o significado do que hoje também celebramos.

A vida cresceu generosa, o significado também.
Ainda hoje, somos homens e mulheres de passagens; somos filhos da Páscoa.
Os mares existem, os cativeiros também. A ameaças são inúmeras, mas haverá sempre uma esperança a nos dominar; um sentido oculto que não nos deixa parar; uma terra prometida que nos motiva a dizer: Eu não vou desistir! E assim seguimos juntos, mesmo que não estejamos na mira dos olhos.
O importante é saber que, em lugar deste grande mar de ameaças, de alguma forma estamos em travessia...



Feliz Páscoa!
Muitos ovinhos recheados de carinho <3 .="" p="">

março 20, 2016

Até quando...S.O.S. BRASIL


Até qdo vms confundir populismo com popularidade.
Q migalhas não satisfaz 
Q precismos de políticos dignos para a noção nação
Qdo teremos um Brasil LIMPO!!!
Brasileiros vms lutar por liberdade de expressão 
Não se deixem enganar por discursos absurdos
Abram seu olhos e vejam que precisamos de homens e mulheres
 q realmente amam o Brasil e os brasileiros.
Mudança já!
Na cadeia quem rouba nosso pais!!!
Q loucura tudo isso!

Duvida?
Kd o selo da republica num documento oficial ,
 tão importante como a posse de ministério???



Não se esqueçam:









Montagem e armadilhas:


Políticos e seus truques:




Policia Federal - Faça o seu papel!!!
Tenho esperanças.




BDSM - Atitude













"Quando você tem sua mente umedecida com amor, você pode começar a meditar sobre a compaixão". Dalai Lama


Gian Lucas.



"Quando tudo entre nós acabou
Parei de regar as flores em meu jardim
E a cada dia que passava sem você
Via uma a uma murchar e morrer".


março 16, 2016

Expectativas e encantamento pelo BDSM - por Sophysticada no The Cave.


Uns dos momentos mais agradáveis que tenho são quando posso trocar figurinhas com meus amigos e o assunto BDSM  sempre vem à tona.
Quando sou questionada o q me encantou no BDSM.
Respondo foi à possibilidade de encontrar alguém pra cuidar de mim.
Os dominadores q conhecia sempre diziam isso: -  Vou cuidar de vc. Eu acreditei!
Talvez pq tenho muitas responsabilidades por alguns momentos não quero cuidar e sim ser cuidada.
A liberdade de fetiches é outro atrativo delicioso é experimentar sem pudores me deixa muito empolgadinha.
Mas as coisas não funcionam bem assim o cuidar por vezes é vago e a liberdade sexual pode ser um risco físico.
O perigo disso me atrai me fascina me leva a loucura.
Desafia-me.
Saber q tenho tantas possibilidades na mão é realmente muito excitante.




O q me entristece hj no BDSM é a quantidade de gente q se diz dominador ou submissas.
Conheço mais gente enrolando do q praticando. É uma loucura!
Detesto gente q quer o manual de como eu funciono, não querem nem ter o trabalho de descobrir querem tudo prontinho, não é bem assim queridos! Relacionamento, como qq um, é um dia após o outro e tudo q vcs pode conseguir é baseado em confiança, portanto atalhos não serve pra nada.
Fico muito incomodada com as pessoas de má fé q se aproximam para satisfazer seus desejos mais mesquinhos. Os vampiros de plantão.
Nas experiências q tive ficaram momentos maravilhosos e outros tão igualmente doloridos.

É bom salientar q tudo está na nossas mãos e por muitas vezes não queremos ver o q está realmente acontecendo, somos permissíveis.




Confesso q qdo iniciei  no BDSM tinha um deslumbre por usar coleira virtual...
Achava lindo seu nome juntinho de alguém pra mim a importância "é" tão forte como a aliança.
Então surgiu meu primeiro Dono, este um picareta de plantão quis q eu procurasse irmã de coleira pra ele, me dava obrigações loucas, passei achar q tinha algo muito errado ali.
Numa única noite troquei várias vezes de nick e por consequência coleira. Apelidei esse dominador de "Sr. Abecedário"  sinceramente usei todas as letras do alfabeto com ele, pior q ele era tão deliciosamente envolvente q mesmo vendo algo errado eu não partia.
Vivenciei uma única sessão com ele e por vários motivos fui me afastando dele gradativamente.
Foi a primeira vez q senti a dor da abstinência do domínio psicológico. Foi muito difícil superar mas ai surgiu a coisa boa, na contra mão de tudo isso conheci outros dominadores e submissas q me orientaram e agora sim estava sendo cuidada por amigos e amigas de grande importância até hj na minha vida.
A vida nos leva por vários caminhos percorremos com passadas firmes ou não, se envolver num mundo tão embriagante como o BDSM não é tarefa fácil. Exige de nós mesmo dedicação e conhecimento, reconhecer os perigos e os encantos.
Sinto-me sempre no dever de auxiliar quem me pede ajuda e socorro quando me sinto vulnerável foi a forma q encontrei de sobreviver.
Sim sou uma sobrevivente...


By Sophys

"Eu não vou pro inferno Eu não iria tão longe por você ". Capital Inicial



"O mundo humano é uma bagunça".Sebastião. A pequena sereia




"Um sonho é um desejo do seu coração". Cinderela


"Até milagres levam um certo tempo".

"Lembre-se, você é o único que pode encher o mundo com luz do sol".

"Viva como se não houvesse meia noite".

"Como são sábios aqueles que se entregam às loucuras do amor." Joshua Cooke


março 15, 2016

11 homens e um segredo


- Ele te faz rir? 
- Ele não me faz chorar.

Com certeza é uma boa maneira de escolher 
quem fica ou não do seu lado, 
fica a dica. - Sophys