JellyPages.com
"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo". Clarice Lispector

Seguidores

agosto 02, 2013

Olhos tristes - By Sophys


Meu nome é Alicia sou enfermeira. Tenho muito carinho pelo meu trabalho e pacientes.
Contarei para vcs uma historia muito atipica que aconteceu comigo um dia desses.
Chega mais um  paciente no hospital assim como muitos, seus familiares chegam apreensivos e cheios de expectativas  sobre o estado clinico deles.
Numa manhã em especial quando entrei no quarto notei  um homem claro de cabelos curtinhos, bem vestido.
Mas...
Algo nele me chamou atenção seus olhos profundamente tristes.


Meu instinto inicial era abraça-lo não sei pq é uma rotina do meu dia a dia normalmente tento encarar tudo com muita naturalidade se não piro.
A boca dele tinha um desenho tão perfeito me senti totalmente atraida. Coisa não muito comum comigo.
Simplesmente comecei minha rotina de trabalho. Comprimentei os dois fiz todo o meu trabalho e tudo permaneceu na minha cabecinha imaginativa.


Alguns dias depois era meu dia de fazer Plantão.
Na minha pausa resolvi ir até o jardim na lateral do hospital, gosto de sentar num banco q existe bem escondidinho onde posso ficar quietinha sem ninguem me incomodar. Para minha surpresa " Olhos Tristes"
estava lá no meu refúgio.

Pensei em ir embora mas me aproximei, notei q ele fumava um baseado. Torci o nariz e fiz uma gracinha.
- Posso me sentar?
Ele sorriu e acenou com a cabeça q sim. Me ofereceu o baseado dei uma tragada forte segurei por alguns segundos e soltei, fiquei admirando o desenho da fumaça.


Ficamos em silêncio por um longo tempo.
Qdo ele me olhou e disse:
- Vc é uma mulher muito bonita.
Simplesmente isso.
Despertou uma louca dentro de mim e tasquei um beijo nele.



Me beija! Mas me beija com vontade, quero beijo com pegada, quero que você se entregue. Aguça meus sentidos, faça durar. Me pega, mas me pega com amor, me pega com calor, me faça lembrar disso pra sempre. Aumenta meus desejos, faz eu me sentir vivo, me faça sentir seu. Por um segundo, um minuto, uma hora, só faça, e faça bem feito.

Então me puxou para cima dele, senti sua mãos frias entrar no meu uniforme e rapidamente explorar por dentro da minha calcinha. Gemi como uma vadia louca. Estava completamente descontrolada.
Abri o jaleco e a camisa desapertei o sutien e ofereci meus seios para ele sugar. Ele começou a  passar a lingua no bico dos meus seios, em seguida sugava com tanta força q senti uma mistura de dor e tesão indescritivel.
Dentro da minha calcinha ele tocava meu grelinho massageando e se lambuzando.


Escorreguei pelo corpo em busca do seu pau.
Abri o cinto,
o botão,
o ziper,
quando vi sua cueca branca tipo samba canção,
puxei seu pau para fora q estava brilhante e soltava algumas gotinhas.
Passei minha lingua pegando todo seu suco pra  mim.
Olhei nos olhos dele e disse fale exatamente como vc quer q eu te chupe.
Quero te obedecer.



Ele sorriu e disse
-  Vc é doida?
- Sim sou...
Ele agarrou meus cabelos e disse:
- Vadia passe sua lingua pelo meu pau como se fosse um picole lambe bem devagar de baixo para cima ate atingir a cabeça.
- Encaixe sua boca na cabeça do pau e sugue.
- Passe sua lingua  nas veias do meu pau desenhe cada detalhe.


Simplesmente obedecia com cuidado olhando nos olhos deles sempre q possivel. Via seu olhos tristes se transformarem em uma fera e isso me deixava completamente molhada.

- Vadia, enfie meu pau todo na sua boca nada pode ficar de fora.
Ele forçou dentro da minha garganta provocando uma vontade enorme de vomitar me afastei um pouquinho continuei a chupar.


Ele falou não aguento mais senta no meu pau, quero comer sua buceta.
Levantei afastei minha calcinha e sentei de costas para ele, fui sentando lentamente ate um encaixe perfeito .
Agora eu estava no comando comecei a sentar e levantar engolindo por vezes o pau dele todinho. Minha bucetinha estava toda babada, lembrei q estava num lugar publico e alguem poderia estar assistindo tudo.
Fiquei mais excitada.
Iniciei movimentos de vai e vem mais freneticos.
Ele disse não aguento mais vou gozar. Continuei os movimentos de vai e vem tentando sentir todo o prazer q aquele momento me proporcionava.
Minha bucetinha latejava e pressionava o pau dele.
Em seguida ouvi um gemido, quase um uivo q ele soltara.


Levantei me virei para ele bejei sua boca e disse:
- Obrigada foi muito prazeroso.
Ele disse sempre que precisar estarei aqui.

Recoloquei a calcinha no seu lugar fechei o jaleco e confesso q sai quase q fugindo.
Nesse dia pedi para minha amiga trocar de andar comigo pq atenderia o andar q ele estaria, preferi evitar olhar aqueles olhos q me pertubavam tanto.



Pela manha fui para minha casa.
Sai quase escondida do hospital. Percebi a loucura q tinha feito seguindo meus instintos e nem me percebi do risco q corria.
Mas quer saber?
Faria tudo de novo...
Fui dormi e pensando será q aqueles olhos hj estão mais felizes?



4 comentários:

  1. Caraca!!!
    Nessa hora do dia e eu lendo essa delícia!!!
    E agora?
    Como volto ao trabalho?
    Sentindo o rosto arder aqui...não só o rosto!!!

    Culpa sua Sophys!!! Kkkkkkkkkkkkkk.

    Beijos!
    {perséfone core}_DC

    ResponderExcluir
  2. Ah...que conto maravilhoso querida,já tive o prazer de ler ele na casa do Anjos Maus,depois não resisti e li ele na casa de Anita e agora pela 3° vez pude ter o prazer de ler novamente aqui.

    Mulher de coragem,foi embora feliz satisfeita e pode fazer alguém feliz e satisfeito.Parabéns você escreve muito bem,já pude conferir outros contos seus e confesso que quero ler mais e mais...

    Parabéns linda!

    Beijinhos

    Anita G.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anita G.,


      Isso q é fã!! Obrigada pelo carinho amorec@!

      Bjoooo

      Excluir