JellyPages.com
"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo". Clarice Lispector

Seguidores

outubro 27, 2012

Essa tal felicidade... By Sophys





Estou começando achar q estou transparecendo uma infelicidade por estar só.
Sem Dono, sem paixão simplesmente neutra, observando.

Minhas amigas (os) estão me escrevendo e as vezes percebo um tom de preocupação comigo.
Não se preocupe meninas (os) sou bem grandinha 
e já apanhei da vida mas tb bati!

Não acredito q exista alguém q me possa fazer feliz, 
pq já sou feliz, alias oscilo entre a felicidade e a tristeza como todos.
Acho uma responsabilidade absurda jogar na mão de quem quer q seja 
meus sentimentos ou meus sonhos, estes estão nas minhas mãos, 
busco eles com toda minha força ou desisto dele da mesma forma q não importa mais. 

Fico feliz com a torcida para achar um novo amor... Mas sinceramente não estou interessada 
Pq não me sinto pronta pra encarar tudo de novo, 
Dono então, minhas amigas sub sabe como isso é complicado 
e exige uma dedicação tão intensa.

O meu blog sempre fala de amor . 
Pq amo demais e intensamente e acredite quem passou 
pelo meu coração amigo ou paixão 
sempre ficará nele.
Apago fácil as marcas negativas e fortaleço o positivo em cada um.

Procuro viver no meu cantinho deixando a vida me jogar onde sou bem acolhida.
Estou vivendo um momento de transformação mas devidos uma série de problemas q todos nós podemos enfrentar em momentos de crise financeira e ponto.
Isso trabalho e esforço me trará novamente a tranquilidade.

Quando ao coração esse esta batendo lentamente calmamente e até feliz.

Então queridas e queridos, relaxa a Sophys está bem, obrigada!

Mas achei tão fofo os recadinhos q estou recebendo e bom olhar para os lados 
e ter amigos(as) verdadeiros, isso sim q é felicidade.

Meu sorriso hj é pra vcs q me fazem sempre um gesto de carinho...


Pensei em fazer uma listinha mas vou esquecer alguém
 e ai sim vou ficar arrasada pq detesto ser injusta.

Bjk@s

Sophys

Níveis de ciúmes






Teu Segredo - Clarice Lispector


Flores envenenadas na jarra. 
Roxas azuis, encarnadas, atapetam o ar.
 Que riqueza de hospital. 
Nunca vi mais belas e mais perigosas.
 É assim então o teu segredo. 
Teu segredo é tão parecido contigo 
que nada me revela além do que já sei. 
E sei tão pouco como se o teu enigma fosse eu. 
Assim como tu és o meu.
Clarice Lispector

outubro 26, 2012

Clarice Lispector




"Sou o que quero ser, porque possuo apenas uma vida 
e nela só tenho uma chance de fazer o que quero.
Tenho felicidade o bastante para fazê-la doce dificuldades para fazê-la forte,
Tristeza para fazê-la humana e esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas,
elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos."
Clarice Lispector

outubro 23, 2012

Quero - Carlos Drummond de Andrade




Quero que todos os dias do ano
todos os dias da vida
de meia em meia hora
de 5 em 5 minutos
me digas: Eu te amo.

Ouvindo-te dizer: Eu te amo,
creio, no momento, que sou amado.
No momento anterior
e no seguinte,
como sabê-lo?

Quero que me repitas até a exaustão
que me amas que me amas que me amas.
Do contrário evapora-se a amação
pois ao não dizer: Eu te amo,
desmentes
apagas
teu amor por mim.



Exijo de ti o perene comunicado.
Não exijo senão isto,
isto sempre, isto cada vez mais.
Quero ser amado por e em tua palavra
nem sei de outra maneira a não ser esta
de reconhecer o dom amoroso,
a perfeita maneira de saber-se amado:
amor na raiz da palavra
e na sua emissão,
amor
saltando da língua nacional,
amor
feito som
vibração espacial.

No momento em que não me dizes:
Eu te amo,
inexoravelmente sei
que deixaste de amar-me,
que nunca me amastes antes.

Se não me disseres urgente repetido
Eu te amoamoamoamoamo,
verdade fulminante que acabas de desentranhar,
eu me precipito no caos,
essa coleção de objetos de não-amor.

Carlos Drummond de Andrade

Pablo Neruda




Quero apenas cinco coisas.. 
Primeiro é o amor sem fim 
A segunda é ver o outono 
A terceira é o grave inverno 
Em quarto lugar o verão 
A quinta coisa são teus olhos 
Não quero dormir sem teus olhos. 
Não quero ser... sem que me olhes. 
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

outubro 21, 2012

Rubem Alves




"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música
não começaria com partituras, notas e pautas.
Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria
sobre os instrumentos que fazem a música.
Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria
que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas.
Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas
para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes".
Rubem Alves

"Um homem só encontrou a mulher ideal quando olhar no seu rosto e ver um anjo, e tendo-a nos braços ter as tentações que só os demonios provocam". Pablo Picasso


"Não sei se quero descansar,por estar realmente cansada ou se quero descansar para desistir". Clarice Lispector


"Quero ter alguém com quem conversar. Alguém que depois não use o que eu disse contra mim..." Renato Russo


RUINAS DA AMIZADE - Augusto Branco




"Quando você encontra alguém especial e se apaixona por essa pessoa, você começa a construir um relacionamento com os cuidados de quem constrói uma Maravilha. 
Seus materiais básicos são constituídos de muito Amor, Companheirismo e Dedicação. 
Até que um dia algo terrível acontece, jogando por terra toda sua construção. 
É desalentador e faz mesmo pensar que todo seu trabalho fora em vão.
Mas isso é ledo engano: se construistes tudo realmente com beleza e pureza de sentimento, restará ainda uma magnífica Amizade. 
Assim como as mais majestosas construções da Humanidade deixaram suntuosas ruinas das quais cuidamos e admiramos, a Amizade fruto de um Amor de verdade, deve e merece ser preservada".

outubro 20, 2012

Laura Astrolabio




"O perder não é o outro ir embora. 
Perder é algo mais completo, mais intenso, mais imutável. 
Alguém pode não ter ido embora, no entanto já não te quer mais, 
assim também alguém pode ter ido embora, 
mas o sentimento que movia a relação continua alí, no mesmo lugar. 
Por isso , não tenha medo de alguém ir embora , 
porque o "ir embora" é reversível. 
Mas se esse alguém é importante para você , 
cuide para não perder , porque o "perder" , 
em matéria de sentimento , 
é imutável".
Laura Astrolabio 

A vida de Cadu


Era uma vez uma leoa que vivia normalmente na savana.
Caçava, dormia e procriava como qualquer outra.
Tinha uma vida normal, e aquilo era tudo.
Um dia ficou grávida e no 1° mês de gravidez foi capturada por um caçador e vendida para um circo.
Sua vida mudou completamente, agora ficava presa dentro de uma gaiola mínima, comia sempre a mesma refeição nos mesmos horários.
Um treinador tentou adestra – lá, mas logo viu que a leoa estava grávida, e que seria melhor esperar-la dar a cria, pois assim não comprometeria a gravidez e ele ganharia mais leões pelo preço de um.

Assim foi até o dia do nascimento.
Seis filhotes haviam nascido, mas com o tempo somente um havia restado, tanto a mãe quanto os outros irmãos não conseguiram suportar o péssimo tratamento dado pelo circo.
O pequeno leão fora nomeado Cadu.
Cadu foi crescendo e se desenvolvendo dentro da mesma gaiola até atingir a idade perfeita para o inicio de seu adestramento.
Cada vez que Cadu realizava uma ação errada o treinador o chicoteava ou o deixava sem comida, e cada vez que Cadu realizava uma ação correta ganhava um pedaço a mais de carne, ou simplesmente não era chicoteado.

Depois de algumas seções de adestramento, Cadu estava pronto para se apresentar para o publico.
Porem no dia de sua 1° apresentação Cadu ficara desesperado com o publico, eles gritavam seu nome, luzes e mais luzes piscavam, bolas de fogo surgiam a sua frente, um verdadeiro horror.
Na primeira ordem dada pelo adestrador, Cadu não obedecera e recebera um grito de repreensão, na segunda ordem tomou uma chicotada bem na pata, e na terceira ordem, por não ter obedecido tomou uma chicotada bem na face.
Irado, Cadu atacou o adestrador e retalhou-lhe a face, a platéia corria desesperada e após ter sentido uma picada, Cadu desmaiou.
Quando acordou sentiu uma forte dor nas patas, suas garras haviam sido arrancadas.
Como punição, ficou quase três dias sem comida e no escuro, não que Cadu tivesse visto a luz do sol antes, mas dessa vez, não via luz alguma por três dias.

Cadu aprendera a lição, nunca mais atacou o treinador, obedecia sempre e morria de medo cada vez que realizava uma ação errada.
Um dia Cadu ficou muito irritado e atacou novamente o treinador.
Como punição seu caninos foram arrancados, mas com o tempo se acostumou a comer sem sentir dor.
A vida de Cadu percorreu assim, ficava sempre preso na mesma gaiola desde o nascimento, nunca via a luz do sol, sempre comia a mesma comida, não se relacionava com ninguém a não ser com o adestrador e com o publico, para ele aquilo era tudo, não existia nada melhor ou pior do que aquilo, sua mente fora condicionada e prensada naquela única realidade. Uma coisa ruim era levar chicotada e ficar sem comida e sem luz, uma coisa boa era ganhar um pedaço extra de comida.
Sempre assim até sua maior idade, nada alem disso acontecia, nada.
Um dia Cadu percebeu que alguma coisa estava estranha.
Pessoas vestindo uma jaqueta preta e calças compridas haviam invadido o circo, eles discutiam com as pessoas do circo e com o adestrador, eles gritavam e gritavam, cada vez mais alto.
Um dos homens vestindo uma jaqueta pegou uma algema e prendeu o adestrador e as outras pessoas do circo.
Cadu não entendia nada, apenas se escondia no canto na gaiola.
Um grande caminhão-guindaste surgia e enquanto o caminhão vinha os homens de jaqueta tratavam de cobrir a gaiola onde Cadu estava e nunca saia, a não ser para se apresentar, com um grande e denso manto escuro que impedia que a luz entrasse, Cadu só via sombras.
Aos poucos Cadu sentiu que sua gaiola estava sento levantada, ela balançava muito. Era o caminhão- guindaste transportando a gaiola de Cadu para um zoológico.
Após o transporte, o caminhão-guindaste depositou lentamente a gaiola de Cadu dentro de uma enorme gaiola que imitava algum lugar da selva, tinha arvores, pedras, terra, grama e cachoeiras artificiais.
Cadu só escutava o barulho e via as sombras.
A partir de agora os homens que o maltratavam viveriam em celas e Cadu viveria “livre”.
Os homens de jaqueta preta lentamente tiravam o manto escuro que cobria a gaiola.
Cadu viu pela primeira vez a luz do sol, no inicio apenas percebera um enorme clarão que aos poucos ia diminuindo e dando forma as coisas.
Viu através das grades da gaiola as arvores e as pedras.
Os homens de jaqueta preta abriram a gaiola de Cadu e se afastaram depressa.
Cadu não sabia o que fazer, aquilo era totalmente estranho para sua cabeça. No inicio hesitou em sair da gaiola.
Com o tempo foi saindo bem devagar de dentro da gaiola, quando se deu por si estava completamente fora da gaiola.
Seu coração batia forte e desesperado como nunca.
Cadu, o leão imponente e deformado pelas péssimas condições de sua vida, se viu pisando na grama pela 1° vez em sua via.
Saiu correndo disparado, a areia entrava por entre seus dedos disformes e sem garras.
Estava correndo e nem acreditava que podia fazer isso, no começo sentiu dificuldade para se equilibrar, mas depois percebeu que sua natureza o permitia correr.
Respirava pela 1° vez o ar “puro”, se jogou na grama e rolou para todos os lados, levantou e tornou a correr, sentiu novamente o vento passar por sua juba embaraçada.
Tentou subir na arvore, caiu, mas estava adorando tudo.
Aquilo era o paraíso, a melhor sensação de sua vida, nada poderia ser melhor que aquilo.
Cadu parou e correr, olhou para o sol e para tudo a sua volta,deu um grande e profundo suspiro cambaleou e caiu morto na grama.


PÓS ESCRITO:
Se coloque por um momento no lugar de Cadu.
Talvez, apenas talvez nossa vida seja igual a dele.
Quem sabe nos vivemos presos dentro de uma gaiola sem saber disso e não nos damos conta de que talvez exista um outro mundo totalmente diferente desse que conhecemos, mas que infelizmente não estejamos mais preparados ou nunca mais estaremos preparados para vive-lo.
E que esse mundo totalmente novo e maravilhoso no qual não estamos mais preparados para viver seja apenas uma copia do verdadeiro mundo do qual nos sempre devêssemos pertencer.
Se isso for verdade toda a noção de liberdade esta perdida. 

“Liberdade significa perder todas as esperanças, mesmo que tardiamente” 

P.S.: Recebi da Neuzinha por email.

DIGA NÃO AOS COVARDES - T. Bernardi


Um brinde aos passos minúsculos desses seres rastejantes. Andam na velocidade de uma boa notícia quando a ansiedade já extrapolou a lógica da espera.
Chega de meias bocas pra preencher profundos vazios. Meias bocas para beijar entradas inteiras. Meios beijos de respeito na testa. Meias palavras para dizer alguma coisa que, feita a análise fria, nada querem dizer.

Intenções soltas e desejos desconexos. Esse mistério todo é uma violência contra a minha inteligência. Sejamos diretos para não sermos idiotas: eu te quero. Você me quer? Não sabe? Ah, então vá pra puta que te pariu. (E vá ser vago na casa da sua mãe porque embaixo da sua manga eu não fico mais!)
Este rebolado colorido que descola de seu cenário pastel, vem de meu ventre. Livre. Portanto não tente me escravizar, nem com promessas, intelectualidades, ou uma pegada daquelas.


Este rebolado é quase que instintivo, meu jeito, nada sutil, apesar de ser essa a intenção, de te mostrar que há chances de ultrapassagem.
Seja inteligente, faça jus à espécie, seja Sapiens. Perceba o sinal verde, ultrapasse.
Não sabe se quer acelerar o motorzinho? Então vá treinar com uma boneca, uma revista, uma prima, a chata da sua mulher, a sem-sal da sua namorada ou o raio que os parta todos os mornos.

Eu não sou morna e, se você não quiser se queimar, morra na temperatura do vômito. E bem longe de mim.
Ou venha me ajudar a ferver essa banheira. Vamos ficar cegos de vapor e vermelhos de vida. É sangue que corre nos meus sentimentos e não o enjôo morno de uma vida que se vai empurrando com a barriga.
Barriga que vai crescer no sofá imundo dos acomodados.
Eu ainda quero muito. Quero as três da manhã de um sábado e não as sete da tarde de uma quarta. Vamos viver uma história de verdade ou vou ter que te mandar pastar com outras vaquinhas?

Docinho vá fazer pra quem gosta de lamber o seu cuzinho, porque aqui nessa boquinha só entra cher nourriture . Vá contar esse seu papinho de "Hey, you never know" pra quem conta com a sorte e sabe esperar. A sorte é sua de ser amado por mim e eu quero agora, ontem, semana passada.
Amanhã não sei mais das minhas prioridades: posso querer dormir com pijama de criança até meio-dia, pagar 500 reais numa saia amarela, comer bicho-de-pé no Amor aos Pedaços ou quem sabe dar para o seu chefe em cima da mesa dele.

Minha vontade de ser feliz é como a sua de gozar. E se eu te iludisse de tesão e levantasse rápido para retornar a minha vida? Você continuaria se fodendo sozinho para fugir da dor: é assim que vivo, masturbando minha mente de sonhos para tentar sugar alguma realização. É assim que vivo: me fodendo.


Chega de ser metade aquecida, metade apreciada, metade conhecida. Chega de ser metade comida em meios horários e meio amada em histórias pela metade.
Chega de sorrir para o que não me contenta e me cobrar paciência com um profundo respiro de indignação. Paciência é dom de amor aquietado, pobre, pela metade. Calma, raciocínio e estratégia são dons de amor que pára para racionalizar. Amor que é amor não pára, não tem intervalo, atropela.

Não caio na mesma vala de quem empurra a vida porque ela me empurra. Ela faz com que eu me jogue em cima de você, nem que seja para te espantar.
Melhor te ver correndo pra longe do que empacado em minha vida.

Tati Bernardi

Só à dois...


"A ilusão é o primeiro de todos os prazeres".
Oscar Wilde



"Um beijo é um segredo que se diz na boca e não no ouvido".
Jean Rostand


"Minha alma tem o peso da luz. 
Tem o peso da música. 
Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. 
Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. 
Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. 
E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros".
Clarice Lispector



"Se meus olhos mostrassem a minha alma, todos, ao me verem sorrir, chorariam comigo ..." 
Kurt Cobain


"Se soubéssemos quantas e quantas vezes as nossas palavras são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo".
Oscar Wilde

VOCÊ É... Martha Medeiros



Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.

Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.

Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.

Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.

Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.

Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê.

"No amor, fiquem juntos, mas não tão juntos, pois os pilares do templo ficam bastantes afastados e o carvalho e o cipreste não crescem um na sombra do outro". Kahlil Gibran


"O tempo não pára! Só a saudade é que faz as coisas pararem no tempo..."Mario Quintana


Tipos de Dons por Lena Lopez * Conheci alguns desta lista, rs



Tipos de Dons por Lena Lopez 

Dom Abracadabra: faz contato, negocia, acerta os termos com a sub e desaparece para sempre 
Dom Agostinho: simpático, malandro, falastrão, sabe tudo, mas nunca foi dono de ninguém 
Dom Brahma: Pensa que é o melhor de todos, o número 1 
Dom Cético: nunca acredita que as torturas doeram 
Dom Cigano: Está sempre mudando de sub 
Dom Denorex: Parece mas não é
Dom Galo: canta de galo, mas quem manda é a sub 
Dom Gasparzinho: faz contato, controla, dono dos pensamentos da sub, mas nunca aparece 
Dom Hardy Har Har: ao ver a sub marcada, exclama - Eu sabia que isso não ia dar certo! 
Dom Juan: não pode ver uma sub, passa cantada em todas, não importa se tem Dono. 
Dom Catchup: não para enquanto não ver o sangue da sub 
Dom Lampadinha: quando lhe dizem que a sua sub tem outro dono, ele responde, "To ligado!" 
Dom Matemático: só sabe fazer 69 com a sub 
Dom Morcego: só quer chupar a sub 
Dom Pardal: está sempre inventando cenas, aparelhos, torturas, para não passar trabalho. 
Dom Político: só promete e nunca faz nada 
Dom Quimera: produto da imaginação de uma submissa 
Dom Sabonete: é liso, sempre arranja uma desculpa e não aparece nunca 
Dom Salgueiro: chora quando machuca a sub. 
Dom São Tomé: só acredita que dói, se ele mesmo experimentar 
Dom Sherlock: Está sempre procurando na sub, marcas que não são suas 
Dom Shibari: é totalmente enrolado 
Dom Utopia: moreno alto, olhos verdes, cavalheiro, rico, tem uma BMW e é bonito e sensual 
Dom Vaselina: Diz para os outros Dons que faz e acontece, mas a sub faz o que quer dele


Tipos de Submissas por Lena Lopez - Com certeza vc conhece alguém assim, rs




Tipos de Submissas por Lena Lopez 

Sub-ácida: Está sempre azeda e acha que não apanhou o bastante
Sub-aquática: chora rios de lágrimas e se urina 
Sub-clínica: Esta sempre com algum sintoma
Sub-consciente: Está sempre alienada
Sub-crônica: É submissa 24 horas por dia e até nos sonhos
Sub-crustráceo: Já levou tanta lambada, que criou uma crosta em volta do corpo
Sub-delírio: Está sempre entre a fantasia e a realidade, não se decide nunca
Sub-dialeto: Quando está apanhando não se entende nada do que ela diz
Sub-entendida: Está sempre procurando algo nas entre-linhas 
Sub-estimada: Se acha pior do que as outras
Sub-fixa: Aconteça o que acontecer, fica parada no mesmo lugar, estátua
Sub-fóssil: Antiguíssima
Sub-genérica: igual a ela existe um monte
Sub-humana: compreensiva e caridosa
Sub-ida: se acha a tal, acima das outras
Sub-ita: virou subimissa de repente 
Sub-jetiva: Submissa dela mesmo
Sub-jugante: confusa e acha que domina
Sub-legenda: Não entende nada, tudo tem que ser por escrito ou desenhado 
Sub-levada: está sempre revoltada, teimosa 
Sub-limada: foi torturada com uma lima ou grosa 
Sub-limável: pode ser torturada com lima ou grosa
Sub-liminar: autoinfluenciável
Sub-lingual: fala pelos cotovelos, fofoqueira
Sub-linhada: Está sempre por baixo
Sub-locada: de aluguel
Sub-lunar: Está sempre no mundo da Lua
Sub-marino: adora ser afogada
Sub-médium: sente as dores no dia anterior
Sub-mersa: o mesmo que sub-marino
Sub-mergível: aquela que o Dono está pensando em afoga-la
Sub-metida: já fez sexo com o Dono 
Sub-missiva: Submissa de recados, office-girl do Dono 
Sub-nutrida: aquela que já fez as refeições 
Sub-oficial: a titular
Sub-ornada: toda enfeitada, cheia de frescura 
Sub-sidiada: viva às custas do Dono
Sub-solo: está por baixo, mas quer ficar mais por baixo ainda
Sub-estabelecida: recebeu a submissão de outra submissa, a fim de substitui-la 
Sub-tensa: nervosa 
Sub-terfúgio: está sempre se esquivando do Dono, sempre arruma pretextos
Sub-terrânea: adora ser enterrada viva, se acha uma minhoca
Sub-total: abraça todas, sofrer é com ela mesmo
Sub-traída: o Dono tem outra 
Sub-traindo: Tem dois ou mais Donos
Sub-tropical: se acha a Carmem Miranda, adora banana, pepino. etc...
Sub-versiva: totalmente revolucionária, quer ser igual ao Dono