JellyPages.com
"É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo". Clarice Lispector

Seguidores

janeiro 25, 2011

Texto do livro À Independência, Entre Rios de Pedro Galuchi



Às vezes, dá uma raiva danada de haver nascido no Brasil.
Aí, eu lembro que nasci e moro em São Paulo e esqueço…
São Paulo é maravilhosa…
Capital cultural da América Latina…
São Paulo tem de tudo…
Da Oscar Freire a Vinte e Cinco de Março…
Do Shopping Iguatemi aos outlets, tem comércio para todos os gostos…
Dos churrasquinhos de gato aos finíssimos restaurantes todos os paladares serão satisfeitos…
Não temos praia, mas temos clubes maravilhosos…
Cinemas, sinto falta dos luxuosos que existiam pelo centro, substituidos pelos apertados cinemas de shopping, onde passam, em lançamento nacional os principais filmes mundiais…
Têm teatros de todos os tipos…
Mambembes e requintados…
Têm artistas de rua…
Onde encontrar um parque como o Ibirapuera?
Nele convivem pessoas de todas regiões da cidade…
Circulam pacificamente, ciclistas, pedestres, skatistas, excitados namorados e calmos idosos…
Faz-se tai-chi-chuan ao lado de buliçosas crianças…
Não por acaso em São Paulo foi proclamada a Independência…
Sua estirpe de povo aguerrido abrigou também o movimento constituinte de 1932, registrado para sempre no Obelisco…
São Paulo tem a USP, melhor Universidade da América Latina…
Como reconheceu Caetano Veloso tem o charme da Ipiranga com a São João, por onde rondou Paulo Vanzolini, que deve ter tomado pelo menos uma vez o Trem das Onze até o Jaçanã…
Quem passear pelo centro e olhar para cima verá a beleza do que sobrou da arquitetura dos anos dourados da garoa…
Isso, a caminho do Museu da Língua Portuguesa junto a estação da Luz…
Está com pressa?… Quer conhecer todo tipo de fisionomias?…
Ande de Metrô…
E desça no MASP…
São Paulo é a segunda cidade do país com mais baianos, cearenses, mineiros e nascidos em qualquer outro estado brasileiro…
Tem italianos, chineses, japoneses, portugueses, alemães, árabes…
Loiras, morenas, negros e mestiços…
Machões, lindíssimas top models e parada gay…
Tem a Avenida Paulista…
Tem o Corinthians Paulista…
Tem tantas outras virtudes que encobrem os guetos de injustiça social…
São Paulo não pára 363 dias por ano…
Abre duas exceções…
Num deles permite que milhares de corredores anônimos pisem suas ruas na Corrida de São Silvestre…
Noutro para comemorar seu aniversário…
Parabéns Saint Paul, San Pablo, San Paolo…
Ich liebe Dich, I love You…

Parabéns Sampa - 457 ANOS!


Ontem estava navegando por ai quando deparei com um texto lindo da minha amiga Flor de cristal {LB}.
Galera, fiquei muito emocionada. Uma mineirinha tão delicada falando da minha cidade e como ela foi perfeita em suas colocações. Já era fã de carteirinha do blog dela imagina agora.
Estou 20 anos longe da minha São Paulo.
Mas não tem como tira-la do coração.
Lá é a sede do meu time do coração (TIMÃO).
Sampa me viu de menina à mulher.
Dizem q minha cidade é uma selva de pedra
Q é o centro financeiro do nosso país.
Q é cinza.
São Paulo da garoa...
Q não para.
Quem se importa com definições.
Quando a única palavra hj é saudades...
Saudades de ti minha São Paulo.
Essa Paulistana sempre terá um sorriso e uma lágrima pra ti.

{Sophys}_S.A.

janeiro 24, 2011

"Almas perfumadas"- Drummond



"Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta.
De sol quando acorda.
De flor quando ri.
Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda.
Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça.
Lambuzando o queixo de sorvete.
Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.
O tempo é outro.
E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver.
Tem gente que tem cheiro de colo de Deus.
De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.
Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis.
Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo.
Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.
Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza.Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria.
Recebendo um buquê de carinhos.
Abraçando um filhote de urso panda.
Tocando com os olhos os olhos da paz.
Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.
Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa.
Do brinquedo que a gente não largava.
Do acalanto que o silêncio canta.
De passeio no jardim.
Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo.
Corre em outras veias.
Pulsa em outro lugar.
Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos, Deus está conosco, juntinho ao nosso lado.
E a gente ri grande que nem menino arteiro.
Tem gente como você que nem percebe como tem a alma Perfumada!
E que esse perfume é dom de Deus."
Carlos Drummond de Andrade

OS SILÊNCIOS...


Não entendo os silêncios
que tu fazes
nem aquilo que espreitas
só comigo

Se escondes a imagem
e a palavra
e adivinhas aquilo
que não digo

Se te calas
eu ouço e eu invento
Se tu foges
eu sei não te persigo

Estendo-te as mãos
dou-te a minha alma
e continuo a querer
ficar contigo
(Maria Tereza Hort)

TOMARA



Tomara
Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz
E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais

(Vinicius de Morais)

Cecília Meireles


Traze-me um pouco das sombras serenas
que as nuvens transportam por cima do dia!
Um pouco de sombra, apenas,
- vê que nem te peço alegria.

Traze-me um pouco da alvura dos luares
que a noite sustenta no teu coração!
A alvura, apenas, dos ares:
- vê que nem te peço ilusão.

Traze-me um pouco da tua lembrança,
aroma perdido, saudade da flor!
- Vê que nem te digo - esperança!
- Vê que nem sequer sonho - amor!

DECLARO-ME VIVO! Indio Quechua



Saboreio cada momento.
Antigamente me preocupava quando os outros falavam mal de mim. Então fazia o que os outros queriam, e a minha consciência me censurava. Entretanto, apesar do meu esforço para ser bem educado, alguém sempre me difamava. Como agradeço a essas pessoas, que me ensinaram que a vida é apenas um cenário! Desse momento em diante, atrevo-me a ser como sou.

A árvore anciã me ensinou que somos todos iguais. Sou guerreiro: a minha espada é o amor, o meu escudo é o humor, o meu espaço é a coerência, o meu texto é a liberdade.

Perdoem-me, se a minha felicidade é insuportável, mas não escolhi o bom senso comum. Prefiro a imaginação dos índios, que tem embutida a inocência.
É possível que tenhamos que ser apenas humanos.

Sem Amor nada tem sentido, sem Amor estamos perdidos, sem Amor corremos de novo o risco de estarmos caminhando de costas para a luz.
Por esta razão é muito importante que apenas o Amor inspire as nossas acções.
Anseio que descubras a mensagem por detrás das palavras; não sou um sábio, sou apenas um ser apaixonado pela vida.

A melhor forma de despertar é deixando de questionar se nossas ações incomodam aqueles que dormem ao nosso lado. A chegada não importa, o caminho e a meta são a mesma coisa. Não precisamos correr para algum lugar, apenas dar cada passo com plena consciência.
Quando somos maiores que aquilo que fazemos, nada pode nos desequilibrar. Porém, quando permitimos que as coisas sejam maiores do que nós, o nosso desequilíbrio está garantido.
É possível que sejamos apenas água fluindo; o caminho terá que ser feito por nós.
Porém, não permitas que o leito escravize o rio, ou então, em vez de um caminho, terás um cárcere.

Indio Quechua

janeiro 14, 2011

Astrónomos acrescentam novo signo do Zodíaco -


Astrónomos norte-americanos garantiram quinta-feira que o calendário Zodíaco que todos conhecem está avançado em cerca de um mês. A notícia gerou vários debates na Internet, levando várias pessoas a repensarem nas tatuagens que fizeram com a figura do signo que julgavam pertencer.
Os astrónomos do Minnesota Planetarium Society, nos Estados Unidos, redefiniram o calendário do Zodíaco, provocando desordem nos signos, uma vez que a maioria irá pertencer ao signo anterior ao que julgava ser o seu.
Agora são vários os dilemas para aqueles que têm tatuagens de signos, que se questionam, em várias redes sociais, o que fazer com as tatuagens do seu antigo signo.
O artigo publicado no 'Minneapolis Star Tribune' explica que ao longo dos milénios a Terra oscilou no seu eixo, devido à força gravitacional da Lua, o que terá criado um avanço de um mês no alinhamento das estrelas.
Como resultado deste acontecimento surgiu um 13.º signo, o Serpentário, que fica entre Escorpião e Sagitário.
Contudo, vários astrónomos têm desvalorizado o novo signo, considerando-o apenas uma 13.ª constelação, Ophiuchus, que teria sido posta de parte pelos antigos astrónomos da Babilónia, por quererem apenas 12 signos.


De acordo com os astrónomos do Minnesota Planetarium Society, esta será a nova lista de signos:
Capricórnio: De 20 Janeiro a 16 Fevereiro
Aquário: De 16 Fevereiro a 11 Março
Peixes: De 11 Março a 18 Abril
Carneiro: De 18 Abril a 13 Maio
Touro: De 13 Maio a 21 Junho
Gémeos: De 21 Junho a 20 Julho
Caranguejo: De 20 Julho a 10 Agosto
Leão: De 10 Agosto a 16 Setembro
Virgem: De  16 Setembro a 30 Outubro
Balança: De 30 de Outubro a 23 Novembro
Escorpião: De 23 a 29 Novembro  (somente seis dias?)
Serpentário: De 29 Novembro a 17 Dezembro
Sagitário: De 17 Dezembro a 20 Janeiro

COMO ASSIM? Não sou mais taurina!?

O PODER DAS PALAVRAS


Sempre num lugar por onde passavam muitas pessoas, um mendigo
sentava-se na calçada e ao lado colocava uma placa com os dizeres:
“Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito,
sou muito importante, tenho uma bela residência, vivo
confortavelmente, sou um sucesso, sou saudável e bem humorado.“
Alguns passantes olhavam intrigados, outros achavam doido e outros
até davam-lhe dinheiro. Todos os dias, antes de dormir, ele contava
o dinheiro e notava que a cada dia a quantia era maior. Numa bela
manhã, um importante e arrojado executivo, que já o observava há
algum tempo, aproximou-se e lhe disse:
- Você é muito criativo! Não gostaria de colaborar numa campanha
da empresa?
- Vamos lá. Só tenho a ganhar, respondeu o mendigo.
Após um caprichado banho e com roupas novas, foi levado para a
empresa. Daí para frente sua vida foi uma seqüência de sucessos e
a certo tempo ele tornou-se um dos sócios majoritários. Numa
entrevista coletiva à imprensa, ele esclareceu de como conseguira
sair da mendicância para tão alta posição. Contou ele:
- Bem, houve época em que eu costumava me sentar nas calçadas com
uma placa ao lado, que dizia:
“Sou um nada neste mundo! Ninguém me ajuda! Não tenho onde morar!
Sou um homem fracassado e maltratado pela vida! Não consigo um
mísero emprego que me renda alguns trocados! Mal consigo
sobreviver!“
As coisas iam de mal a pior quando, certa noite, achei um livro e
nele atentei para um trecho que dizia:
“Tudo que você fala a seu respeito vai se reforçando. Por pior
que esteja a sua vida, diga que tudo vai bem. Por mais que você
não goste de sua aparência, afirme-se bonito. Por mais pobre que
seja você, diga a si mesmo e aos outros que você é próspero.“
Aquilo me tocou profundamente e, como nada tinha a perder, decidi
trocar os dizeres da placa para:
“Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito,
sou muito importante, tenho uma bela residência, vivo
confortavelmente, sou um sucesso, sou saudável e bem humorado.”
E a partir desse dia tudo começou a mudar, a vida me trouxe a
pessoa certa para tudo que eu precisava, até que cheguei onde estou
hoje. Tive apenas que entender o Poder das Palavras. O Universo sempre
apoiará tudo o que dissermos, escrevermos ou pensarmos a nosso
respeito e, isso acabará se manifestando em nossa vida como
realidade. Enquanto afirmarmos que tudo vai mal, que nossa
aparência é horrível, que nossos bens materiais são ínfimos, a
tendência é que as coisas fiquem piores ainda, pois o Universo as
reforçará. Ele materializam em nossa vida todas as nossas crenças.
Uma repórter, ironicamente, questionou:
- O senhor está querendo dizer que algumas palavras escritas numa
simples placa modificaram a sua vida?
Respondeu o homem, cheio de bom humor:
- Claro que não, minha ingênua amiga! Primeiro eu tive que
acreditar nelas!

A maneira como você diz as coisas é tão importante quanto o que diz!


Pense bem antes de falar, viu? A sua fala corta e fere. Mas também pode elevar, embelezar e animar! Você escolhe! "Boca fechada não entra mosquito", certo? Mas também perde a chance de conhecê-lo! Precisamos aprender a falar sem machucar, sem magoar!

E você, sabe falar? Consegue falar aquilo que sente? Consegue se expressar com a certeza que estará sendo bem interpretado? Consegue domar a sua poderosa língua?

Tenha consciência ao falar, viu? Ouça mais o que está falando e o jeito que está falando. Saiba que qualquer coisa que você diga tem o poder de afetar positiva ou negativamente as pessoas! Você tem o poder de afastar ou de aproximar as pessoas somente com a suas palavras, viu?

A maneira como você diz as coisas é tão importante quanto o que diz! E às vezes, mais importante ainda, sabia?

Tem muita gente por aí que se orgulha de ser inteiramente franca, de sempre dizer exatamente o que pensa. Mais tarde descobre que esta "virtude" prejudicou seus relacionamentos.

Há ocasiões para uma atitude franca, sem rodeios, quando a verdade pura tem que ser expressa, mas há ocasião de calar, viu? De modo geral, o bom relacionamento com outras pessoas requer uma atitude mais cuidadosa. Todo cuidado é pouco quando você começa a falar. Pare e pense na importância das palavras. A palavra é uma espécie de imã, carregada como uma pilha pela energia da idéia expressa por ela viu?

O uso continuado de qualquer palavra, com o tempo, acaba se transformando em verdade pra você! Uma simples palavra de apoio é suficiente para renovar as energias de alguém que se sinta desanimado, sabia? As palavras sempre chegam carregadas de poderosa energia. E é por isso que são tão perigosas! É você quem, usas as palavras, admita que elas têm poder! São facas de dois gumes! E o pior: sem cabo! Dependem sempre de como você diz e o que quer dizer!

Seja você mesmo, sempre, a dar o “tom” da conversa. Pense muito antes de falar. E “Nunca deixe de dizer alguma coisa, que, em sua opinião, possa fazer diferença na sua vida e na vida da outra pessoa”. Ouça mais o que está falando! Cuide para que haja mel em sua fala e não veneno, tá?

Torne suas palavras graciosas e ternas, pois talvez você precise engoli-las, viu? Não há prazer maior que a sensação de dizer ao fim do dia: “Tive um bom dia; vivi, pensei e falei, com a firme intenção de fazer o bem.”
“Uma língua afiada é a única ferramenta cortante que se amola com o uso"


Mensagem de Luis Carlos Mazzini

P.S.: Recebi do meu amigo Navegante Sonhador.

O dia mais belo... Madre Teresa de Calcutá


O dia mais belo?
HOJE
A coisa mais fácil?
ERRAR
O maior obstáculo?
O MEDO
O maior erro?
O ABANDONO
A raiz de todos os males?
O EGOíSMO
A distração mais bela?
O TRABALHO
A pior derrota?
O DESÂNIMO
Os melhores professores?
AS CRIANÇAS
A primeira necessidade?
COMUNICAR-SE
O que mais lhe faz feliz?
SER ÚTIL AOS DEMAIS
O maior mistério?
A MORTE
O pior defeito?
O MAU HUMOR
A pessoa mais perigosa?
A MENTIROSA
O sentimento mais ruim?
O RANCOR
O presente mais belo?
O PERDÃo
O mais imprescindível?
O LAR
A rota mais rápida?
O CAMINHO CERTO
A sensação mais agradável?
A PAZ INTERIOR
A proteção mais afetiva?
O SORRISO
O melhor remédio?
O OTIMISMO
A maior satisfação?
O DEVER CUMPRIDO
A força mais potente do mundo?
A FÉ
As pessoas mais necessárias?
OS PAIS
A mais bela de todas as coisas?
O AMOR


" Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na frequência das coisas simples. Que o que amacia a vida acende o riso, convida a alma pra brincar. São essas imensas coisas pequeninas bordadas com fios de luz no tecido áspero do cotidiano. " Ana Jácomo.





" As pessoas tomam caminhos diferentes em busca da felicidade e da satisfação. O fato de que o caminho de alguém não coincida com o seu, não quer dizer que vocês se perderam.. " H. Jackson Browne



janeiro 13, 2011

As quatro ignorâncias de um amante



Uma das maiores figuras das letras luso-brasileiras, o Padre Antonio Vieira redigiu este texto por volta de 1630, que se traduz numa verdadeira aula sobre o Amor.

A primeira ignorância de um amante:

Não conhecer a si mesmo.
Quando não conhecemos a nós mesmos entramos no estado de identificação e projeção com a outra pessoa. Projetamos no outro aspectos nossos. Não sabemos olhar para dentro e reconhecer os próprios erros, as próprias dificuldades então dizemos que o outro é terrível. Criamos uma lista de culpados pela nossa própria insatisfação.
Conhecer a si mesmo também é estar em contato com nosso Eu Superior, a parte Divina em nós, que sabe dar limites, que sabe perdoar, que não aceita o que é inaceitável. E que ama profundamente, a sim mesmo e ao outro.

A segunda ignorância de um amante:
Não conhecer a quem se ama.
Quando não conhecemos a essência da outra pessoa criamos expectativas, destruímos a comunicação saudável, acusamos erroneamente o outro, enfim criamos confusão, ilusão e mal entendidos. Queremos que ela nos dê o que ela não pode nos dar, queremos que ela seja perfeita, imaculada, iluminada.
Mas todos temos lados positivos e negativos, não?

A terceira ignorância de um amante:

Não conhecer o amor.
O Amor é um sentimento que une, que engloba, que junta. E ele começa trazendo as nossas partes obscuras à consciência. Integrar nossa sombra e transformá-la em Luz é uma obra do Amor. Somente este sentimento tem a capacidade de fazer isto. O Amor coloca a mão na lama porque sabe que quando erguemos as mãos para o céu a lama é transmutada. Sendo assim é possível curar feridas, amenizar o casaço existencial, suavizar emoções pesadas.
Estar em estado de amor significa também aceitar e curar nossos lados sombrios e os lados sombrios da outra pessoa. Porque todos temos um inconsciente repleto de medos, de traumas…. E o Amor sabe disso.
Quando duas pessoas inteiras estão harmonizadas, no caminho, se trabalhando e essas pessoas se relacionam, se amam, com certeza elas estarão gerando muita Luz para o mundo.

A quarta ignorância de um amante:

Não saber a hora de parar, mesmo amando.
Quem ama sabe que as coisas mudam, e que há momentos em que é melhor jogar tudo para o vento. O desapego é necessário. Afinal o que realmente levamos conosco quando morremos? O Amor.
O desapego é uma grande lição. Ele nos mostra o caminho da aceitação do que É. Ele diminui a nossa necessidade de estarmos sempre certos. Ele nos mostra que a vida nem sempre é do jeito que a gente gostaria que ela fosse e ao aceitar este fato crescemos espiritualmente.

By Padre Antônio Vieira.

* Antonoine de Saint-Exupéry In: O pequeno príncipe*




_ Teria sido melhor se voltasses à mesma hora – disse a raposa. _ Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz! Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade!
Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar meu coração… É preciso que haja um ritual.
_ Que é um “ritual” – perguntou o principezinho.
_ É uma coisa muito esquecida também – disse a raposa. _ É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas. Os meus caçadores, por exemplo, adotam um ritual. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira é então o dia maravilhoso! Vou passear até à vinha. Se os caçadores dançassem em qualquer dia, os dias seriam todos iguais, e eu nunca teria férias!

Assim o pequeno príncipe cativou a raposa. Mas quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
_ Ah! Eu vou chorar.
_ A culpa é tua – disse o principezinho. _ Eu não queria te fazer mal; mas tu quiseste que eu te cativasse…
_ Quis – disse a raposa.
_ Mas tu vais chorar! disse ele.
_ Vou – disse a raposa.
_ Então, não terá ganho nada!
_ Terei, sim – disse a raposa – por casar da cor do trigo.
Depois ela acrescentou:
_ Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde a três eu começarei a ser feliz!
_ Vai rever as rosas. Assim, compreenderás que a tua é a única no mundo. Tu voltarás para me dizer adeus, e eu te presentearei com um segredo.

O pequeno príncipe foi rever as rosas:
_ Vós não sois absolutamente iguais à minha rosa, vós não sois nada ainda. Ninguém ainda vos cativou, nem cativastes ninguém. Sois como era a minha raposa. Era uma raposa igual a cem mil outras. Mas eu a tornei minha amiga. Agora ela é única no mundo.
E as rosas ficaram desapontadas.
_ Sois belas, mas vazias – continuou ele. – Não se pode morrer por vós. Um passante qualquer sem dúvida pensaria que a minha rosa se parece convosco. Ela sozinha é, porém, mais importante que todas vós, pois foi ela quem eu reguei. Foi ela quem pus sob a redoma. Foi ela quem abriguei com o pára-vento. Foi nela que eu matei as larvas (exceto duas ou três por causa das borboletas) Foi ela que eu escutei queixar-se ou gabar-se, ou mesmo calar-se algumas vezes. Já que ela é a minha rosa.

E voltou, então, à raposa:
_ Adeus… – disse ele.
_ Adeus – disse a raposa. – Eis meu segredo. É muito simples: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisivel aos olhos.
_ O essencial é invisível aos olhos – repetiu o princepizinho, para não se esquecer.
_ "Foi o tempo que perdeste com tua rosa que a fez tão importante.”

E deitado na relva, ele chorou.

_ Foi o tempo que eu perdi com a minha rosa… – repetiu ele, para não se esquecer.

_ Os homens esqueceram essa verdade – disse ainda a raposa. – Mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela tua rosa…


-Eu sou responsável pela minha rosa… – repetiu o principezinho, para não esquecer.

Martha Medeiros



Depois de um bom tempo dizendo que eu era a mulher da vida dele, um belo dia eu recebo um e-mail dizendo: ‘olha, não dá mais’. Tá certo que a gente tava quase se matando e que o namoro já tinha acabado mesmo, mas não se termina nenhuma história de amor (e eu ainda o amava muito) com um e-mail, não é mesmo? Liguei pra tentar conversar e terminar tudo decentemente e ele respondeu: mas agora eu to comendo um lanche com amigos’. Enfim, fiquei pra morrer algumas semanas até que decidi que precisava ser uma mulher melhor para ele. Quem sabe eu ficando mais bonita, mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?

Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema. Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta. E sabe o que aconteceu? Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.

Aí achei que isso não podia ficar assim, de jeito nenhum, eu precisava ser ainda melhor pra ele, sim, ele tinha que voltar pra mim de qualquer jeito!

Pra isso, larguei de vez a propaganda, que eu não suportava mais, e resolvi me empenhar na carreira de escritora, participei de vários livros, terminei meu próprio livro, ganhei novas colunas em revistas, quintupliquei o número de leitores do meu site e nada aconteceu. Mas eu sou taurina com ascendente em áries, lua em gêmeos, filha única! Eu não desisto fácil assim de um amor, e então resolvi tinha que ser uma super ultra mulher para ele, só assim ele voltaria pra mim.

Foi então que passei 35 dias na Europa, exclusivamente em minha companhia, conhecendo lugares geniais, controlando meu pânico em estar sozinha e longe de casa, me tornando mais culta e vivida. Voltei de viagem e tchân, tchân, tchân, tchân: nem sinal de vida.

Comecei um documentário com um grande amigo, aprendi a fazer strip, cortei meu cabelo 145 vezes, aumentei a terapia, li mais uns 30 livros, ajudei os pobres, rezei pra Santo Antonio umas 1.000 vezes, torrei no sol, fiz milhares de cursos de roteiro, astrologia e história, aprendi a nadar, me apaixonei por praia, comprei todas as roupas mais lindas de Paris. Como última cartada para ser a melhor mulher do planeta, eu resolvi ir morar sozinha. Aluguei um apartamento charmoso, decorei tudo brilhantemente, chamei amigos para a inauguração, servi bom vinho e comidinhas feitas, claro, por mim, que também finalmente aprendi a cozinhar. Resultado disso tudo: silêncio absoluto.

O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele.

Até que algo sensacional aconteceu…

Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher, que eu acabei me tornando mulher DEMAIS para ele. Ele quem mesmo???


Martha Medeiros


Você é os brinquedos que brincou, as gírias que usava, você é os nervos a flor da pele no vestibular, os segredos que guardou, você é sua praia preferida, Garopaba, Maresias, Ipanema, você é o renascido depois do acidente que escapou, aquele amor atordoado que viveu, a conversa séria que teve um dia com seu pai, você é o que você lembra.
Você é a saudade que sente da sua mãe, o sonho desfeito quase no altar, a infância que você recorda, a dor de não ter dado certo, de não ter falado na hora, você é aquilo que foi amputado no passado, a emoção de um trecho de livro, a cena de rua que lhe arrancou lágrimas, você é o que você chora.
Você é o abraço inesperado, a força dada para o amigo que precisa, você é o pelo do braço que eriça, a sensibilidade que grita, o carinho que permuta, você é as palavras ditas para ajudar, os gritos destrancados da garganta, os pedaços que junta, você é o orgasmo, a gargalhada, o beijo, você é o que você desnuda.
Você é a raiva de não ter alcançado, a impotência de não conseguir mudar, você é o desprezo pelo o que os outros mentem, o desapontamento com o governo, o ódio que tudo isso dá, você é aquele que rema, que cansado não desiste, você é a indignação com o lixo jogado do carro, a ardência da revolta, você é o que você queima.
Você é aquilo que reinvidica, o que consegue gerar através da sua verdade e da sua luta, você é os direitos que tem, os deveres que se obriga, você é a estrada por onde corre atrás, serpenteia, atalha, busca, você é o que você pleiteia.
Você não é só o que come e o que veste. Você é o que você requer, recruta, rabisca, traga, goza e lê. Você é o que ninguém vê.

Certeza - Mário Quintana


Não quero alguém que morra de amor por mim…
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível…E que esse momento será inesquecível…
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém…e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento…e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…
Que a esperança nunca me pareça um NÃO que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como SIM.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros… Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… e que valeu a pena!!”

"Assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida".Mahatma Gandhi




A lenda dos índios Cherokees




O pai leva o filho para a floresta durante o final da tarde, venda-lhe os olhos e deixa-o sozinho.
O filho se senta sozinho no topo de uma montanha toda a noite e não pode remover a venda até os raios do sol brilharem no dia seguinte.
Ele não pode gritar por socorro para ninguém.
Se ele passar a noite toda lá, será considerado um homem.
Ele não pode contar a experiência aos outros meninos porque cada um deve tornar-se homem do seu próprio modo, enfrentando o medo do desconhecido.
O menino está naturalmente amedrontado.
Ele pode ouvir toda espécie de barulho.
Os animais selvagens podem, naturalmente, estar ao redor dele.
Talvez alguns humanos possam feri-lo.
Os insetos e cobras podem vir picá-lo.
Ele pode estar com frio, fome e sede.
O vento sopra a grama e a terra sacode os tocos, mas ele se senta estoicamente, nunca removendo a venda.
Segundo os Cherokees, este é o único modo dele se tornar um homem.
Finalmente...
Após a noite horrível, o sol aparece e a venda é removida.
Ele então descobre seu pai sentado na montanha perto dele.
Ele estava à noite inteira protegendo seu filho do perigo.

Mas o que significa "perdoar"?



Os dicionários de nossa língua definem como absolver, redimir, mas é este o
verdadeiro perdão? Certamente q não. Precisamos aprofundarmo-nos um
tanto mais para compreendê-lo.

O esquecimento do erro é a alma do perdão. Sem ele não podemos nos libertar das lembranças penosas, e das vinculações negativas com o próximo. Porém, cabe aqui um esclarecimento muito importante: não é a mente, a memória, q deve esquecer a ofensa, mas sim o coração, fazendo com que os sentimentos olvidem os fatos dolorosos. Por esta razão dizemos q, se ainda houver alguma gota de ressentimento, ainda não há o completo perdão. O ressentimento faz com q voltemos a nos sentir mal, faz com q retornem as mesmas impressões doridas, a mesma mágoa do passado. Ressentir é sentir continuamente, é continuar sentindo algo desagradável, como se as lembranças tristes permanecessem ecoando nas naves amplas do nosso coração indefinidamente.

Assim, para q exista o perdão do coração, faz-se necessário eliminar o ressentimento. Desta forma a memória poderá até lembrar, mas os sentimentos negativos já terão desaparecido, e isso propiciará nossa libertação das vibrações tempestuosas, dos traços de odiosidade q carregamos conosco.

Como, então, fazer sumir o ressentimento?

Com a compreensão, com a visão ampliada q o Espiritismo nos dá, mostrando-nos q nada acontece fruto do acaso, que nenhum sofrimento tem a intenção de nos prejudicar, e q, no estágio evolutivo em q estamos, os erros ainda são comuns. Precisamos compreender as dificuldades dos outros: Precisamos enxergar no ofensor, no inimigo q nos prejudica, uma alma que sofre, um ser que necessita de auxílio.

Nosso orgulho terá dificuldades em aceitar o perdão, pois para ele parecerá fraqueza, humilhação. Porém, com a compreensão mais madura da vida, das vicissitudes, das provas, expiações, nosso coração aceitará melhor, livre dos ressentimentos, atado somente à lição maior do amor ao próximo.

Ouvindo injúrias, recebendo críticas destruidoras e sendo abandonado pelas almas que deveriam amá-lo, Jesus perdoou, exemplificando o conteúdo excelso de sua mensagem. Na perfeição do mestre não havia lugar para o ressentimento...

Queridos amigos!!

Independente de sua religião essa mensagem nos faz refletir que só
existirá o perdão no momento em que não houver mais o ressentimento. E
como diz na mensagem para eliminarmos o ressentimento precisamos ser
mais compreensivos, entender mais o próximo. Todos possuímos defeitos,
todos estamos em evolução, por isso deixe seu coração aberto e livre-se
dos ressentimentos.

Caso veridico... aff


Um casal da Bósnia decidiu se divorciar depois de descobrir que ambos usavam a internet para trair seu parceiro.
.
O detalhe curioso dessa história é que eles iniciaram um relacionamento no universo virtual sem saber suas verdadeiras identidades, divulgou a publicação australiana “Daily Telegraph”.
Sana Klaric, 27, e seu marido, Adnan, 32, se encontraram em uma sala de bate-papo com os apelidos “Sweetie” e “Prince of Joy”. No ambiente virtual, eles desabafaram sobre os problemas que enfrentavam em seus relacionamentos do universo real.
.
Segundo a publicação, os dois descobriram suas verdadeiras identidades ao se verem quando combinaram um encontro.
.
Sana diz: “De repente eu me apaixonei. Foi incrível. Parecia que a gente estava preso ao mesmo tipo de casamento infeliz, e isso se mostrou ser a realidade”.
Adnan, por sua vez, disse ainda não acreditar que “Sweetie” é a mesma mulher com quem se casou. “A pessoa que escrevia coisas maravilhosas é a mesma que não me disse uma palavra carinhosa durante anos”, afirmou o marido.
.
Agora, o casal da cidade de Zenica está se divorciando – no processo, um acusa o outro de infidelidade.

Fernando Pessoa


“Quero ser teu amigo, nem demais e nem de menos…
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te como próximo, sem medida…
E ficar sempre em tua vida
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade,
Sem jamais te sufocar,
Sem forçar tua vontade.
Sem falar quando for a hora de calar
E sem calar quando for a hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais…
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo,
Mas confesso:
É tão difícil aprender…
Por isso, eu te peço paciência.
Vou encher este teu rosto
De alegrias, lembranças…
Dê-me tempo
De acertar nossas distâncias!”

PRECISO DE ALGUÉM - Charlie Chaplin



Que me olhe nos olhos quando falo.
Que ouça as minhas tristezas e neuroses com paciência.
Preciso de alguém, que venha brigar ao meu lado sem precisar ser convocado; alguém Amigo o suficiente para dizer-me as verdades que não quero ouvir, mesmo sabendo que posso odia-lo por isso.
Neste mundo de céticos, preciso de alguém que creia, nesta coisa misteriosa, desacreditada, quase impossivel de encontrar: A Amizade.
Que teime em ser leal, simples e justo, que não vá embora se algum dia eu perder o meu ouro e não for mais a sensação da festa.
Preciso de um Amigo que receba com gratidão o meu auxílio, a minha mão estendida.
Mesmo que isto seja pouco para as suas necessidades.
Preciso de um Amigo que também seja companheiro, nas farras e pescarias, nas guerras e alegrias, e que no meio da tempestade, grite em coro comigo:
"Nós ainda vamos rir muito disso tudo"
Não pude escolher aqueles que me trouxeram ao mundo, mas posso escolher o meu Amigo.
E nessa busca empenho a minha própria alma, pois com uma Amizade Verdadeira, a vida se torna mais simples, mais rica e mais bela...

Honoré de Balzac

Somos Luz! Wagner Borges



O Divino Escultor esculpiu nossa imagem-forma na Luz.
Sorrindo, Ele disse dentro de cada espírito:
"Você ocupará muitas formas na existência, terá vários rostos e corpos, de cores e formatos diferentes, mas a sua verdadeira face é a da Luz"!
Porém, o tempo passou, e nos identificamos com as diversas formas, não só físicas, mas, também, com aquelas mentais e emocionais.

Passamos a viver e agir nas formas, mas sem sentir o Espírito em nós. Passamos a viver de forma vazia, sem sentido e sem profundidade.
Apegamo-nos demais às formas moldadas e condensadas nas energias da natureza, e mesmo quando elas se desgastam, e o seu uso não é mais possível, ficamos meio perdidos, chorando sobre a referência externa com a qual nos identificávamos tanto.
Foi por isso que o sábio Jesus disse:
"Deixem que os mortos enterrem os seus mortos"!
O Rabi estava certo: quem anda com o espírito entorpecido nas ilusões sensoriais do mundo e acha que é só isso que existe, na verdade está morto de raciocínio, percepção e espírito. Confundir a Luz do espírito com a casca abandonada é o mesmo que confundir a roupa com quem a veste.

Se é necessário respeitar o invólucro carnal abandonado, pois era morada do espírito em ascensão, é mais necessário, ainda, respeitar o próprio espírito, essência imperecível e dotado de todos os potenciais celestes.
E nenhum espírito, em época alguma, jamais foi seguro pelo caixão ou pelo solo onde o seu corpo ficou sendo transformado em outras energias pela generosa Mãe Terra.
Aos corpos que ficam na Terra, o nosso muito obrigado, por tudo o que aprendemos por intermédio deles. Porém, somos espíritos com a face da Luz!
Somos forma e semelhança da Luz, pois não somos animais vertebrados, somos consciências imperecíveis. Somos a cara de Deus!
Não somos brancos, negros, amarelos ou vermelhos. Não somos nem mesmo terrestres, pois qualquer espírito é egresso de outros planos sutis, não-físicos.
Portanto, somos extraterrestres, pois terrestres são apenas os corpos que ocupamos temporariamente.
SOMOS LUZ!

Enquanto os "mortos enterram os seus mortos", os espíritos continuam vivendo além... Os primeiros olham as tumbas e choram a ilusão de suas referências apenas físicas; os últimos olham para as estrelas e alçam vôo para outras paragens.
E lá em cima não há nenhum número de tumba como referência, nem esquifes enterrados para alguém se guiar na dor de sua perda ilusória. O que tem mesmo é uma infinidade de espíritos vivos, todos com a cara de Deus!
O Divino Escultor esculpiu nossa imagem-forma na Luz.
Portanto, façamos jus a essa Luz.


SEJAMOS LUZ!

história é VERÍDICA:


O sujeito se chama Marc Faber, e é norte-americano
 

- Ele é Analista de Investimentos e empresário.
Em junho de 2008, quando o Governo Bush estudava lançar um projeto de ajuda à economia americana, Marc Faber encerrava seu boletim mensal com um comentário bem-humorado:

"O Governo Federal está concedendo a cada um de nós uma bolsa de U$ 600,00."
 
Se gastarmos esse dinheiro no supermercado Walt-Mart, esse dinheiro vai para a China.
Se gastarmos com gasolina, vai para os árabes.
Se comprarmos um computador, vai para a Índia.
Se comprarmos frutas e vegetais, irá para o México, Honduras e Guatemala.
Se comprarmos um bom carro, irá para a Alemanha ou Japão.
Se comprarmos bugigangas, irá para Taiwan....

E nenhum centavo desse dinheiro ajudará a economia americana.
 
O único meio de manter esse dinheiro na América é gastá-lo com prostitutas e cerveja, considerando que são os únicos bens ainda produzidos por aqui.
Estou fazendo a minha parte... 
 


 
- Resposta de um brasileiro igualmente bem humorado:


"Realmente a situação dos americanos parece cada vez pior." Lamento informar que, depois desse seu e-mail, a Budweiser foi comprada pela brasileira AmBev... portanto, restaram apenas as prostitutas.


Porém, se elas (as prostitutas) repassarem parte da verba para seus filhos, o dinheiro virá para Brasília, onde existe a maior concentração de filhos da puta do mundo.

janeiro 12, 2011

Sylvio Guedes - Jornal de Brasília


Sylvio Guedes, editor-chefe do Jornal de Brasília, critica o "cinismo" dos jornalistas, artistas e intelectuais ao defenderem o fim do poder paralelo dos chefes do tráfico de drogas.

Guedes desafia a todos que "tanto se drogaram nas últimas décadas que venham a público assumir: eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro". Leia o artigo na íntegra:

É irônico que a classe artística e a categoria dos jornalistas estejam agora na, por assim dizer, vanguarda da atual campanha contra a violência enfrentada pelo Rio de Janeiro.
Essa postura é produto do absoluto cinismo de muitas das pessoas e instituições que vemos participando de atos, fazendo declarações e defendendo o fim do poder paralelo dos chefões do tráfico de drogas.
Quando a cocaína começou a se infiltrar de fato no Rio de Janeiro, lá pelo fim da década de 70, entrou pela porta da frente.
Pela classe média, pelas festinhas de embalo da Zona Sul, pelas danceterias, pelos barzinhos de Ipanema e Leblon.
Invadiu e se instalou nas redações de jornais e nas emissoras de TV, sob o silêncio comprometedor de suas chefias e diretorias.
Quanto mais glamuroso o ambiente, quanto mais supostamente intelectualizado o grupo, mais você podia encontrar gente cheirando carreiras e carreiras do pó branco.
Em uma espúria relação de cumplicidade, imprensa e classe artística (que tanto se orgulham de serem, ambas, formadoras de opinião) de fato contribuíram enormemente para que o consumo das drogas, em especial da cocaína, se disseminasse no seio da sociedade carioca - e brasileira, por extensão.
Achavam o máximo; era, como se costumava dizer, um barato.
Festa sem cocaína era festa careta.
As pessoas curtiam a comodidade proporcionada pelos fornecedores: entregavam a droga em casa, sem a necessidade de inconvenientes viagens ao decaído mundo dos morros, vizinhos aos edifícios ricos do asfalto.
Nem é preciso detalhar como essa simples relação econômica de mercado terminou.
Onde há demanda, deve haver a necessária oferta.
E assim, com tanta gente endinheirada disposta a cheirar ou injetar sua dose diária de cocaína, os pés-de-chinelo das favelas viraram barões das drogas.
Há farta literatura mostrando como as conexões dos meliantes rastacuera, que só fumavam um baseado aqui e acolá, se tornaram senhores de um império, tomaram de assalto a mais linda cidade do país e agora cortam cabeças de quem ousa lhes cruzar o caminho e as exibem em bandejas, certos da impunidade.
Qualquer mentecapto sabe que não pode persistir um sistema jurídico em que é proibida e reprimida a produção e venda da droga, porém seu consumo é, digamos assim, tolerado.
São doentes os que consomem.
Não sabem o que fazem.
Não têm controle sobre seus atos.
Destroem famílias, arrasam lares, destroçam futuros.
Que a mídia, os artistas e os intelectuais que tanto se drogaram nas três últimas décadas venham a público assumir:

"Eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro."

janeiro 11, 2011

SER CHIQUE SEMPRE


Nunca o termo "chique" foi tão usado para qualificar pessoas como nos dias de hoje.
A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas.
Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou closet recheado de grifes famosa e importadas. Muito mais que um belo carro Italiano.
O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida.
Chique mesmo é quem fala baixo.
Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas, nem por seus imensos decotes e nem precisa contar vantagens, mesmo quando estas são verdadeiras.
Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.
Chique mesmo é ser discreto,
não fazer perguntas ou insinuações inoportunas,
nem procurar saber o que não é da sua conta.
Chique mesmo é parar na faixa de pedestre*
É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.
Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às pessoas que estão no elevador.
É lembrar do aniversário dos amigos.
Chique mesmo é não se exceder jamais!
Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.
Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.
É "desligar o radar" quando estiverem sentados à mesa do restaurante, e prestar verdadeira atenção a sua companhia.
Chique mesmo é honrar a sua palavra,
ser grato a quem o ajuda,
correto com quem você se relaciona
e honesto nos seus negócios.
Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer,
ainda que você seja o homenageado da noite!

Mas para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo,
de se lembrar sempre de o quão breve é a vida
e de que, ao final e ao cabo, vamos todos retornar ao mesmo lugar,
na mesma forma de energia.
Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor,
não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar
e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não te faça bem.

* Porque, no final das contas, chique mesmo é ser feliz! *

** Investir em conhecimento pode nos tornar sábios... Mas amor e fé nos tornam humanos! **

Que possamos construir avanços do tamanho que nos propusermos.


Não pense que o tempo seja um carrasco.
Ele não é.
É apenas um observador que está o tempo todo nos lembrando que é preciso vivê-lo intensamente.
Ele ri quando ficamos querendo planejar a felicidade para depois da aposentadoria.
Ri também quando planejamos perder peso, aprender línguas, viajar.
Ele ri sempre que queremos dominá-lo porque queremos ser eternos ou desejamos sucesso ou reconhecimento.
O final do ano serve para nos perguntarmos sobre o que estamos fazendo com o tempo que nos é oferecido
como um presente ou se estamos desperdiçando-o vivendo escravos do relógio e das horas.
Este tempo que vivemos neste período do ano nos cobra atitude.

Debrucem-se sobre si mesmos e descubram o que estão fazendo da própria vida.

O tempo passa, não volta mais.
Saudade não faz voltar o tempo.
Planejar não "congela o futuro".
E o arrependimento pelo que se deixou de fazer quando se teve a
oportunidade, encontra seu espaço no arrependimento.

Que possamos construir avanços do tamanho que nos propusermos.

ANDAR COM FÉ


Andar com fé é saber que cada dia é um recomeço.
É ter certeza que os milagres acontecem, e que os sonhos podem se realizar.
Andar com fé, é saber que temos asas invisíveis.
É fazer pedidos a estrelas cadentes, e abrir as mãos para o céu...
Andar com fé é olhar sem temor as portas do desconhecido.
Ter a inocência dos olhos da criança, a lealdade do cão, a beleza da mão estendida para dar e receber.
Andar com fé é usar a força e a coragem que habitam dentro de nós quando tudo aparece acabado.
Andar com fé é saber que temos tudo a nosso favor.
É compartilhar as bênçãos multiplicadas.
É saber que sempre seremos surpreendidos com presentes do Universo.
É a certeza que o melhor sempre acontece,
e que tudo aquilo que almejamos está totalmente ao nosso alcance.
BASTA SÓ ANDAR COM FÉ!

Porque tudo se renova... Rubia A. Dantés


Outro dia, sem nem perceber... me peguei me aceitando, em algumas coisas que antes não aceitava em mim... e pude sentir o gosto da liberdade bem na ponta da língua, de tão real...
Sabe aquelas coisinhas que você julga que não são muito boas, coisinhas bobas e sem importância, mas que, por memórias equivocadas não se adequam ao que cabe dentro das regras, e você se vê, automaticamente,
seguindo ainda essas regras... e fazendo muita coisa porque ainda "tem que".
Pois é... de repente me vi livre de muitos "tem que".... e foi tão bom... mas tão bom que pude sentir como é simples ser feliz.

Percebi como ainda tinha medo de me revelar por inteiro... como sou... sem mais nem menos... E é tão bom, quando dentro das suas possibilidades do momento, você se aceita mais um pouquinho que seja, com seus
"supostos" defeitos e qualidades... sem julgar se aquilo é um defeito ou qualidade, mas aceitando que aquilo é Você na forma em que se encontra hoje...
Mesmo porque defeito e qualidade são muito relativos e o que é defeito para um pode ser qualidade para outro... Eu mesmo já mudei de idéia quanto a muita coisa que achava que era defeito e que vi que era
qualidade e vice-versa... Afinal, nosso juízo sobre esses assuntos são muito direcionados por padrões de normalidade que, cá entre nós, não são lá muito confiáveis... porque foram criados para que neles coubessem muitas pessoas.... mas muitas mesmo...

Por isso, quando a gente descobre que não precisa se adequar a nenhum padrão de comportamento que não seja o ditado pela nossa Alma, a liberdade que vem daí não tem preço... Liberdade não só para você, mas para todo mundo que você também queria enquadrar...
Você começa a perceber a beleza única de cada um... a riqueza infinita de formas de ser e de fazer, que não se repetem uma única vez... as infinitas possibilidades da Criação se manifestando em cores e nuances
mágicas que, fazem da vida um arco-íris que se estende até o infinito, como um tapete macio e colorido que recebe pés que ousam dar o primeiro passo, a cada passo...

Você percebe a beleza irrepetível de fazer a "aparentemente" mesma coisa, de forma única, porque sabe que na abundância ilimitada da criação existem infinitas possibilidades de combinações que nos
possibilitam sempre trazer o novo... mesmo no velho...

Você percebe que o velho nem existe.... porque tudo se renova. O que existe é o nosso apego às coisas que... cristalizamos com ele e com isso paralisamos no tempo tendo a falsa ilusão que aquilo não muda...

E, então, você acorda um dia maravilhada por descobrir que aí mesmo na sua casa, da maneira que é você é, no seu jardim... ou no quintal... ou mesmo na janela do seu apartamento, existe todo um mundo novo esperando para se revelar para você... que também já não é a mesma pessoa que dormiu ontem... nem por dentro nem por fora. Ninguém passa por um dia ou por uma noite impunemente... sempre saímos diferentes do que entramos...

E você entende, de repente... que ser feliz é como uma brisa que sopra suave e acaricia seu rosto... lhe fazendo puxar o ar inesperadamente para bem profundo... ao constatar que você está sendo cuidada pela
vida...

Como é difícil ser doce nos momentos delicados.

"Na vida do homem, o amor é uma coisa à parte, na da mulher, é toda a vida." Lord Byron




janeiro 10, 2011

O medo do amor incerto


Se existem verdades absolutas neste mundo, uma delas é que todos nós temos medo de sofrer. Assim, ingenuamente tentamos controlar as situações ao nosso redor, como se isso fosse possível...

Obcecados por esse desejo de nos proteger, gastamos nossa energia e nosso tempo tentando controlar os pensamentos, as atitudes e até os sentimentos das pessoas que amamos e que, sobretudo, desejamos que nos amem.
No entanto, não nos damos conta de que a vida se baseia no imprevisível, no incontrolável, no surpreendente! Nenhum sentimento é garantido, nenhuma consequência é revelada antecipadamente. O futuro é totalmente incerto. E apesar de tamanha imprevisibilidade, temos em nosso coração toda a possibilidade de conquistarmos o que e quem amamos, o que é muito diferente de controlar, prever ou obter garantias!

Muitas pessoas não conseguem encontrar um amor, não se entregam a uma relação profunda e verdadeira simplesmente porque estão, todo tempo, tentando obter certezas. As perguntas não param de gritar, as dúvidas não têm fim e o medo de se deparar com a dor parece assombrar milhares de corações, impedindo-os de enxergar uma outra possibilidade, tão plausível quanto a de sofrer.
Será que ele me ama?
Será que vale a pena perdoar e tentar de novo?
Será que ele não vai me trair?
Será que não estou sendo idiota?
Será que não vou sofrer mais do que se ficar sozinho?
Será?
Será?...
O que será, eu responderia com muita tranquilidade, não importa agora! Na verdade, nunca importará! A pergunta correta é: “Eu quero?” Quando aprendermos a responder, com respeito e responsabilidade, essa simples perguntinha, teremos previsto qualquer possibilidade.

Sim, porque o amor é uma chance, uma oportunidade; não uma garantia; nunca uma certeza! Podemos vivê-lo conforme nossa vontade, de acordo com nosso coração ou... passaremos a vida inteira tentando controlar o incontrolável, garantir o incerto!

Jamais teremos como saber se o outro está sendo fiel, se o amor que sentimos é correspondido na mesma medida, se vamos sofrer ou seremos felizes. Jamais saberemos do amanhã ou do outro.
Então, que usemos nossa inteligência, a despeito de todo o medo que isso possa nos fazer sentir. Ou seja, que possamos, de uma vez por todas, abrir mão dessa tentativa inútil de controlar o amor, a vida e o outro e nos concentremos em nós, em nosso coração e em nossos reais objetivos!
Descobriremos que nos ocupar com nossos próprios sentimentos já é trabalho para vida inteira. Descobriremos que agir conforme nossa vontade é o bastante para que nos sintamos preenchidos, embora possamos mesmo vir a sofrer... simplesmente porque o sofrimento é uma possibilidade tão possível quanto a felicidade!
E digo mais: só conseguiremos entrar de fato no coração de alguém, mesmo sem termos certeza disso, quando tivermos a audácia e a coragem de nos entregar ao imprevisível; quando conseguirmos compreender que a segurança é mérito pessoal, interno, sentimento que não se pode ter em relação a ninguém além de nós mesmos.

Portanto, para todas as pessoas que têm me perguntado sobre qual é o “segredo” para viver o amor sem sentir tanta insegurança, tanto ciúme e tanto medo de sofrer, aproveito este momento para responder: o segredo está em saber se você quer, se você realmente quer! Porque se você quiser e fizer por merecer, agindo você com sinceridade, qualquer possibilidade de dor e sofrimento valerá a pena. Porque quando a gente quer de verdade, com o coração, a magia do amor nos faz entender que sofrer faz parte do caminho e, no final das contas, é tudo crescimento, aprendizagem, evolução e, por fim, a tão desejada felicidade.
E não que ela esteja no final do caminho ou no final da vida, simplesmente porque ser feliz é isso: entregar-se ao imprevisível e aceitar a dor e a alegria como partes do amor! E quando penso que essa entrega é realmente difícil, me lembro de uma frase que gosto muito:

"Se o seu problema tem solução, relaxe... ele tem solução.
E se o seu problema não tem solução, relaxe... ele não tem solução!"

É uma frase engraçada, mas muitíssimo sábia. Portanto, quando estiver doendo muito, não resista!
Simplesmente relaxe e aceite, pois a resposta virá!

Fernando Pessoa


"Não sei quem sou, que alma tenho.
Quando falo com sinceridade não sei com que sinceridade falo.
Sou variamente outro do que um eu que não sei se existe (se é esses outros)...
Sinto crenças que não tenho.
Enlevam-me ânsias que repudio.
A minha perpétua atenção sobre mim perpetuamente me ponta
traições de alma a um carácter que talvez eu não tenha,
nem ela julga que eu tenho.
Sinto-me múltiplo.
Sou como um quarto com inúmeros espelhos fantásticos
que torcem para reflexões falsas
uma única anterior realidade que não está em nenhuma e está em todas.
Como o panteísta se sente árvore (?) e até a flor,
eu sinto-me vários seres.
Sinto-me viver vidas alheias, em mim, incompletamente,
como se o meu ser participasse de todos os homens,
incompletamente de cada (?),
por uma suma de não-eus sintetizados num eu postiço."


Fernando Pessoa


"É fácil trocar as palavras,
Difícil é interpretar os silêncios!
É fácil caminhar lado a lado,
Difícil é saber como se encontrar!
É fácil beijar o rosto,
Difícil é chegar ao coração!
É fácil apertar as mãos,
Difícil é reter o calor!
É fácil sentir o amor,
Difícil é conter sua torrente!

Como é por dentro outra pessoa?
Quem é que o saberá sonhar?
A alma de outrem é outro universo
Com que não há comunicação possível,
Com que não há verdadeiro entendimento.

Nada sabemos da alma
Senão da nossa;
As dos outros são olhares,
São gestos, são palavras,
Com a suposição
De qualquer semelhança no fundo."


Abraços...




Além de gostoso, abraçar protege a saúde, retarda o envelhecimento e aquece o coração. Aproveite, sempre é tempo para praticar, afinal, um abraço apertado vale por mil palavras. Ele pode dizer coisas como eu gosto de você, conte comigo, obrigada por estar sempre ao meu lado ou sei o que você está sentindo. Não é só isso: o toque tem poderes fantásticos sobre a saúde e o bem-estar.

Um estudo do departamento de psiquiatria da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, mostrou que abraçar tem relação direta com qualidade de vida. Com a troca de calor e afeto, o corpo passa por uma dança de hormônios: enquanto o nível de cortisol, o hormônio do stress, despenca, substâncias químicas como a serotonina e a dopamina aumentam, contagiando o cérebro e cada célula do organismo com uma sensação de conforto e felicidade. Em seguida, a pressão sanguínea diminui e os batimentos cardíacos desaceleram – quadro ideal para ficar protegido de doenças cardiovasculares e viver plenamente por muitos e muitos anos...
O contato físico não é apenas agradável mas, também necessário; ainda mais em tempos em que a gente se comunica virtualmente... Quando nos tocamos e nos abraçamos valorizamos o amor e a cumplicidade, o que alivia a dor, a depressão e a ansiedade. Na família desse gesto, os especialistas descrevem cinco tipos que correspondem às mais diversas situações. Pratique: é gostoso e faz bem.

Imaginar um abraço gostoso também é eficiente, principalmente naqueles momentos em que você está precisando de uma boa dose de alto-astral e não tem ninguém por perto. Acredite, situações imaginadas podem nos afetar tão fortemente quanto a realidade. Para tanto, siga este exercício: feche os olhos e tente se ver abraçando alguém querido. Registre na mente esse abraço imaginário como uma experiência acalentadora e utilize-a quando precisar.


Pra terminar, saiba que abraçar:
• acaba com a solidão
• ajuda a superar o medo
• constrói a auto-estima
• estimula a vontade de ajudar o próximo
• prolonga a juventude
• ajuda a controlar o apetite - comemos menos quando estamos bem alimentadas com emoções positivas
• alivia a tensão
• combate a insônia
• é democrático. Todo mundo tem direito.


Dá-me um abraço que seja forte
e me conforte a cada canto
não digas nada
que nada é tanto
e eu não me importo
dá-me um abraço fica por perto
neste aperto tão pouco espaço
não quero mais nada, só o silêncio
do teu abraço
Ja me perdi sem rumo certo
já me venci pelo cansaço
e estando longe, estive tão perto
do teu abraço
dá-me um abraço que me desperte
e me aperte sem me apertar
que eu ja estou perto, abre os teus braços
quando eu chegar
é nesse abraço que eu descanso
esse espaço que me sossega
e quando passas dá-me outro abraço
só um não chega
Ja me perdi sem rumo certo
já me venci pelo cansaço
e estando longe, estive tão perto
do teu abraço